sexta-feira, 13 de abril de 2012

Alexandre Emílio, o jornalista com alma de cartunista: muita saudade

Em 1990 lancei, juntamente com meu meu irmão Fárlei, o jornal Uniação, o “pasquim evangélico” que, em 1994, foi relançado com distribuição para mais de 2.500 bancas do Estado do Rio de Janeiro. A gente mandava ver! Era muito legal. “Choviam" cartas na redação! Como eu tinha publicado cartuns e charges no Pasquim de Ziraldo, Jaguar, Millôr, Henfil e Cia (era “fim de festa”, ou seja, a ditadura militar dava seus últimos suspiros), não encontrei dificuldades para colocar o nosso jornal nas mãos de leitores curiosos, afinal, era a primeira publicação evangélica que focava o humor. Criticávamos a hipocrisia, o descaso e outras posturas exageradas de algumas pessoas que se diziam crentes. Era um “alerta” que não agradava a todos. Nesse ínterim, percebemos que seria interessante termos um editor com nossa visão, que abraçasse nossas ideias. Um jornalista que tivesse nas veias, o sarcasmo, a irreverência, e, fundamentalmente, que fosse convertido ao Evangelho de Cristo Jesus. Encontramos. Chamava-se Alexandre Emílio (foto). Um homem com a alma de criança. Um jornalista com cara de cartunista. Um homem de Deus que viveu a vida sem nunca perder a esperança de dias melhores. Um jornalista que editava com alegria, escrevia com amor e brincava sem perder a sensibilidade do mover de Deus através do que publicávamos. Esse era o Alexandre. Para todos da redação, um pai, amigo, irmão, parceiro. Alexandre foi para o Pai Celestial na madrugada de segunda-feira, dia 7 de abril de 2012. O Senhor o deu, e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor. (Jó.1.21). Fica uma grande saudade. Que Deus console toda a família do meu grande amigo Alexandre Emílio, o jornalista/cartunista.

2 comentários:

Utahy Caetano dos Santos Filho disse...

Alexandre era uma figuraça. Não fomos amigos, mas gostava dele.

Flamir ambrósio disse...

Valeu, mestre!
Bom ver seu comentário. Alexandre foi um grande amigo.
Abrs